Caracterização Sociodemográfica e de Saúde de Mães com Neonatos na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal

Autores

Palavras-chave:

Mães, prematuridade, Unidades de Terapia Intensiva Neonatal

Resumo

Objetivo: Compreender os fatores sociodemográficos e de saúde das mães e dos neonatos hospitalizados na unidade de terapia intensiva neonatal e como eles influenciam durante a hospitalização. Método: O estudo é quantitativo e descritivo realizado com 90 mães em uma maternidade de referência no estado do Rio Grande do Norte. Aplicou-se um questionário sociodemográficos e de saúde, para análise dos dados utilizou-se da estatística descritiva com distribuição de frequências e médias. Resultados: A maioria das participantes são do interior do estado, doméstica ou desempregada, com baixo grau de escolarização e de renda familiar. Conclusão:  Os perfis das participantes evidenciam uma população mais carente, de informações ou de serviços de qualidades, requerendo uma articulação e apoio familiar e assistencial para promoção de um período hospitalar menos traumático com garantia e concretização dos direitos a uma assistência de qualidade e equitativa.

Referências

Maldonado MT. Psicologia da gravidez: gestando pessoas para uma sociedade melhor. São Paulo: ideias & letras; 2017. 248p.

Brasil. Ministério da Saúde. 2014. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. [acesso em 2020 jan 20]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_saude_recem_nascido_v2.pdf

França EB, Lansky S, Rego MAS, Malta DC, França JS, Teixeira R, et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Rev. bras. epidemiol. 2017; 20:46-60.

Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad. Saúde Pública. 2014; 30: 192-207.

WHO. World Health Organization. Preterm birth. 2016. [acesso em 2020 jan 20]. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/preterm-birth.

Flach K, Lobo BOM, Potter JR, Lima N. S. O luto antecipatório na unidade de terapia intensiva pediátrica: relato de experiência. Rev. SBPH. 2012; 15: 83-100.

Lindemann E. The symptomatology and management of acute grief. American Journal of Psychiatry 1944;101:141-148.

Valizadeh L, Zamanzadeh V, Rahimina E. Comparison of anticipatory grief reaction between fathers and mothers of premature infants in neonatal intensive care unit. Scandinavian Journal of Caring Sciences. 2013; 27: 921-926.

Brasil. Ministério da Saúde. 2017. Atenção humanizada ao recém-nascido: Método Canguru: manual técnico. [acesso em 2020 jan 20]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_metodo_canguru_manu al_3ed.pdf.

Ramos HAC, Cuman RKN. Fatores de risco para prematuridade: pesquisa documental. Escola Anna Nery. 2009; 13(2): 297-304.

Dantas MMC, Araújo PCB, Revorêdo LS, Pereira HG, Maia EMC. Mães de recém-nascidos prematuros e a termo hospitalizados: Avaliação do apoio social e da sintomatologia ansiogênica. Acta colomb. psicol . 2015; 18(2): 129-138.

Favaro MSF, Peres RS, Santos MA. Avaliação do impacto da prematuridade na saúde mental de puérperas. Psico-USF. 2012; 17(3): 457-465.

Dantas MMC. Mães de neonatos pré-termo hospitalizados: avaliação do apoio social e da sintomatologia ansiogênica [Dissertação de Mestrado]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN; 2012.

Schmidt EB, Argimon IIL. Vinculação da gestante e apego materno fetal. Paidéia. 2009; 19(43): 211-220.

Zanatta E, Pereira CRR, Alves AP. A experiência da maternidade pela primeira vez: as mudanças vivenciadas no tornar-se mãe. Pesquisas e Práticas Psicossociais. 2018; 13(1): 1-16.

Naidon AM, Neves ET, Silveira A, Ribeiro CF. Gestação, parto, nascimento e internação de recém-nascidos em terapia intensiva neonatal: relato de mães. Texto & Contexto – Enfermagem. 2018; 27(2): e5750016.

Zanfolim LC, Cerchiari EAN, Ganassin FMH. Dificuldades Vivenciadas pelas Mães na Hospitalização de seus Bebês em Unidades Neonatais. Psicologia: Ciência e Profissão. 2018; 38(1): 22-35.

Ferraresi MF, Arrais AR. Avaliação da Assistência Multiprofissional em uma Unidade Neonatal Pública na Perspectiva das Mães. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2018; 18(2): 381-390.

Melo RA, Araújo AKC, Bezerra CS, Santos NM, Marques WF, Fernandes FECV. Sentimentos de mães de recém-nascidos internados em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Id online rev. Multidisciplinar e de Psic. 2016; 10(32): 88-103.

Gonzaga ICA, Santos SLD, Silva ARV, Campelo V. Atenção pré-natal e fatores de risco associados à prematuridade e baixo peso ao nascer em capital do nordeste brasileiro. Ciênc. saúde coletiva. 2016; 21( 6 ): 1965-1974.

Costa MCG, Arantes MQ, Brito MDC. A UTI Neonatal sob a ótica das mães. Revista Eletrônica De Enfermagem. 2010; 12(4): 698-704.

Pinto ID, Padovani FHP, Linhares MBM. Ansiedade e depressão materna e relatos sobre o bebê prematuro. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2009; 25(1): 75-83.

Barros SMM, Trindade ZA. Maternidade “prematura”: Uma investigação psicossociológica na unidade de terapia intensiva neonatal. Psicologia, Saúde & Doenças. 2007; 8(2): 253-269.

Santos MC, Gomes GC, Hirsch CD, Norenberg, PKO, Oliveira AMN, Nobre CMG. Vivências das mães junto ao recém-nascido na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Ciência, Cuidado e Saúde. 2018; 17(4): 1-7.

Lima SES, Ferreira CAR, Maia EMC, Cavalcante FLNF. Vivência do luto por mães de recém- nascidos com óbito em unidade de terapia intensiva neonatal. In: Dickmann I, Dickmann I, Carboni JL. Pluralidade de saberes (Vol 2). Chapecó: Editora Livrologia; 2019. p. 197-208.

Lima A, Santos R, Silva S, Lahm J. Sentimentos maternos frente à hospitalização de um recém- nascido na UTI neonatal. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. 2013; 15(4): 112-115.

Sofiati FM, Moreira AS. Catolicismo brasileiro: um painel da literatura contemporânea. Religião & Sociedade. 2018; 38(2), 277-301.

Steil CA, Herrera SR. Catolicismo e ciências sociais no Brasil: mudanças de foco e perspectiva num objeto de estudo. Sociologias. 2010; (23), 354-393.

Souza NL, Pinheiro-Fernandes AC, Clara-Costa IC, Cruz-Enders B, Carvalho JBL, Silva MLC. Domestic maternal experience with preterm newborn children. Rev. Salud Pública. 2010; 12(3): 356-367.

Souza NL, Araújo ACPF, Costa ICC, Carvalho JBL, Silva MLC. Representações de mães sobre hospitalização do filho prematuro. Revista Brasileira de Enfermagem. 2009; 62(5): 729-733.

Souza NL, Araújo ACPF, Azevedo GD, Jerônimo SMB, Barbosa LM, Sousa NML. Percepção materna com o nascimento prematuro e vivência da gravidez com pré-eclampsia. Revista de Saúde Pública. 2007; 41(5): 704-710.

Silveira MF, Victora CG, Barros AJD, Santos IS, Matijasevich A, Barros FC. Determinants of preterm birth: Pelotas, Rio Grande do Sul State, Brazil, 2004 birth cohort. Cadernos de Saúde Pública. 2010; 26(1): 185-194.

Leal MC, Gama SGN, Cunha CB. Consequences of sociodemographic inequalities on birth weight. Revista de Saúde Pública. 2006; 40(3): 466-473.

Cypriano LM, Pinto EEP. Chegada inesperada: a construção da parentalidade e os bebês prematuros extremos. Psicologia Hospitalar. 2011; 9(2): 02-25.

Piccinini CA, Lopes RS, Gomes AG, De Nardi T. Gestação e a constituição da maternidade. Psicol. Estud. 2008 13(1): 63-72.

Cartaxo L, Torquato J, Agra G, Fernandes M, Platel I, Freire M. Vivência de mães na unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Enfermagem UERJ. 2014; 22(4): 551-557.

Vicente AC, Lima AKBS, Lima CB. Parto cesário e parto normal: uma abordagem acerca de riscos e benefícios. Temas em saúde. 2017; 17(4): 24-35.

Guimarães RM, Silva RLPD, Dutra VGP, Andrade PG, Pereira ACR, Jomar RT, Freire RP. Fatores associados ao tipo de parto em hospitais públicos e privados no Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 2017; 17(3): 571-580.

Sakae, TM, Freitas PF, d'Orsi E. (2009). Fatores associados a taxas de cesárea em hospital universitário. Revista de Saúde Pública. 2009; 43(3): 472-480.

Kottwitz F, Gouveia HG, Gonçalves AC. Via de parto preferida por puérperas e suas motivações. Escola Anna Nery. 2018; 22(1): 1-8.

Dantas MMC, Araújo PCB, Paulino DS, Maia EMC. Avaliação do apoio social e de sintomas depressivos em mães de bebês prematuros hospitalizados. Psicologia em revista. 2012; 18(1): 90-106.

Porciuncula M, Bonilha A, Pedron C, Espírito Santo L. Contexto da atenção pré-natal na prematuridade tardia. Revista Enfermagem UERJ. 2017; 25: 8-12.

Melo EC, Oliveira RR, Mathias TAF. Fatores associados à qualidade do pré-natal: uma abordagem ao nascimento prematuro. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2015; 49(4): 0540-0549.

Santos D, Teixeira E. Vínculo mãe-filho no contexto da terapia intensiva neonatal: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Saúde Funcional. 2017; 1(2): 8-19.

Donelli TM, Henrich SM, Schaefer MP. Vivências da maternidade e da relação mãe-bebê no primeiro ano de vida do bebê prematuro. Barbarói. 2017; 49(1): 71-93.

Tinoco, V. O processo de luto na maternidade prematura. In: Caselllato GO. Resgate da empatia: suporte psicológico ao luto não reconhecido. São Paulo: Summus editorial; 2015. p. 29-47.

Scarabel CA. A experiência da puérpera com o parto prematuro e internação do seu recém- nascido numa Unidade de terapia Intensiva Neonatal: Estudo a partir da psicologia analítica [Dissertação de mestrado]. São Paulo: Universidade de São Paulo- USP; 2011.

Urizzi F, Carvalho LM, Zampa HB, Ferreira GL, Grion CMC, Cardoso LTQ. Vivência de familiares de pacientes internados em unidades de terapia intensiva. Rev. bras. ter. intensiva. 2008 ; 20( 4 ): 370-375.

Farias, GRB, Aguiar MSS. (2010) Indicadores comportamentais de recém-nascidos de Risco Evidenciados em Ambiente de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. In: Oliveira A, Najjar E, Silva R. Interfaces: terapia ocupacional com teoria e pesquisa do comportamento. Belém: EDUEPA; 2010. p. 27-52.

Balbi B, Carvalhaes MABL, Parada CMGL. Tendência temporal do nascimento pré-termo e de seus determinantes em uma década. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(1): 233-241.

Souza NL, Araujo ACPF, Costa ICC. Significados atribuídos por puérperas às síndromes hipertensivas da gravidez e nascimento prematuro. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2011; 45(6): 1285-1292.

Assis HM, Machado CJ, Rodrigues RN. Perfis de mortalidade neonatal precoce: um estudo para uma Maternidade Pública de Belo Horizonte (MG), 2001-2006. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2008; 11(4): 675-686.

Lopes WC, Marques FKS, Oliveira CF, Rodrigues JA, Silveira MF, Caldeira AP, et al. Alimentação de crianças nos primeiros dois anos de vida. Revista Paulista de Pediatria. 2018; 36(2): 164- 170.

Kramer MS, Kakuma R. The optimal duration of exclusive breastfeeding: a systematic review. Adv Exp Med Biol. 2002; 554:63-77.

Cruz M, Sebastião L. (2015). Amamentação em prematuros: conhecimentos, sentimentos e vivências das mães. Distúrbios da Comunicação. 2015; 27(1): 76-84.

Veronez M, Borghesan NAB, Corrêa DAM, Higarashi IH. Vivência de mães de bebês prematuros do nascimento a alta: notas de diários de campo. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2017; 38(2): e60911.

Lima VF, Mazza VA, Mór LM, Pinto MNGR. Vivência dos familiares de prematuros internados em unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Mineira de Enfermagem. 2017; 21: 1-8.

Câmara T, Pereira N, Silva R. Enfermagem e o manuseio do recém-nascido na unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Uningá. 2019; 56(2): 222-233.

Downloads

Publicado

13-01-2023

Como Citar

1.
Elan S. Caracterização Sociodemográfica e de Saúde de Mães com Neonatos na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev Paul Enferm [Internet]. 13º de janeiro de 2023 [citado 13º de julho de 2024];33(1). Disponível em: https://periodicos.abennacional.org.br/repen/article/view/133

Edição

Seção

Artigos originais

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.